top of page
Buscar

El Niño - Um Guia Para o Mercado de Café (Parte 2)

Parte 2 - Impacto do El Niño na Produção de Café

A influência do El Niño na produção de #café tem uma série de efeitos, que vão desde impactos menores até consequências graves. Determinar qual será o impacto nas culturas requer uma análise abrangente tanto das zonas geográficas de impacto como das características do próprio evento El Niño.

Nesta segunda parte da nossa série de artigos sobre o El Niño, apresentaremos uma exploração detalhada das distintas repercussões do El Niño nas diferentes origens do café em todo o mundo, bem como algumas das ocorrências mais relevantes da história para o mercado #cafeeiro.



[Não perca os últimos insights do mercado cafeeiro. Inscreva-se agora para uma avaliação gratuita de nossos Relatórios de Mercado Premium!]



Vietnã e Indonésia

As potências de #café #Robusta do Leste Asiático são tipicamente as mais fortemente influenciadas pelo El Niño. O fenômeno meteorológico contribui para a redução das chuvas e, portanto, aumenta o potencial de seca nestas áreas. O pico do El Niño ocorre geralmente durante o período de junho a janeiro, que coincide com a fase crucial de floração para a Indonésia e a fase de maturação no Vietnã, períodos que requerem nomeadamente chuva.



Portanto, o El Niño tem o potencial de apresentar desafios significativos ao desenvolvimento das lavouras, ao limitar ou mesmo minar a capacidade produtiva se o tempo seco for persistente, como em anos de fortes eventos de El Niño (mais sobre isto mais tarde). Tal como discutido na primeira parte desta série de artigos, a proximidade da Ásia Oriental (incluindo o Vietname e a Indonésia) do coração do El Niño no Pacífico Oriental é um factor crítico.

[Quer ficar à frente da curva no mercado de café? Inscreva-se para uma avaliação gratuita de nossos Relatórios de Mercado Premium!]


Notavelmente, o Vietname tem a irrigação como um ponto forte, que atua como um fator atenuante contra a seca induzida pelo El Niño. No entanto, o tempo seco prolongado pode reduzir os níveis de água nos reservatórios, levando potencialmente o governo a impor restrições hídricas. Além disso, a história sugere que a irrigação não manteve a produção de café vietnamita totalmente protegida dos efeitos do El Niño.

Brasil

O Brasil é a principal origem produtora de café, por isso é importante estarmos atentos a esta região. No entanto, embora o El Niño não crie um padrão distinto de chuvas nessas regiões produtoras de café, vale a pena notar que há um aumento moderado nas temperaturas médias evidente no Brasil.


Isto é particularmente importante devido ao risco de geadas no Brasil. Durante os anos do El Niño, a produção de café no Brasil pode realmente se beneficiar, já que o risco de ocorrência de geadas no Brasil parece ser mitigado. Coincidentemente ou não, estamos atualmente em um ano de El Niño, enquanto o inverno no Brasil já passou do seu pico sem geadas ou mesmo alertas dignos de nota.



América Central e México

O efeito sobre a produção de café na América Central é misto. Algumas análises indicam que as porções do sul da América Central correm o risco de aumentar a seca, enquanto outras mostram pouco efeito.


No entanto, um efeito positivo do El Niño é que este evento climático pode reduzir a probabilidade de formação de furacões perto das regiões cafeeiras da América Central. Uma vez que o El Niño fortalece a Corrente de Jato, a formação de furacões é diminuída porque é mais difícil para eles sustentarem as suas estruturas típicas no Atlântico, uma vez que o fortalecimento dos ventos gerados pelo fortalecimento da Corrente de Jato frequentemente perturbam as formações de furacões nas suas fases iniciais.


[Aprimore suas habilidades de negociação de café com nosso abrangente Curso para Trader de Café. Não perca esta oportunidade de aprender com especialistas do setor. Inscreva-se agora!]



Notavelmente, os furacões estão frequentemente associados à ocorrência de inundações nas regiões cafeeiras da América Central durante o período de junho a novembro. Contudo, os registos históricos não demonstram uma forte correlação entre as principais mudanças nos padrões de precipitação da América Central durante os eventos do El Niño. Além disso, os mapas meteorológicos que retratam o impacto do El Niño não revelam uma área distinta de influência sobre as áreas de cultivo de café na América Central ou no México.

Colômbia

Não há fortes evidências estatísticas que demonstrem que o El Niño tenha perturbado significativamente a produção de café da Colômbia. No entanto, o El Niño tende a provocar clima seco e temperaturas elevadas durante as fases posteriores de maturação da cultura principal, bem como durante as fases iniciais da floração da colheita secundária (Mitaca). Normalmente, estes são períodos de chuva regular, por isso pode ser problemático. Felizmente, o solo da Colômbia é conhecido pela sua capacidade de retenção de humidade, e por isso é razoável que esta característica proporciona alguma resiliência aos potenciais efeitos do El Niño.



Olhando para um exemplo histórico, o evento El Niño de 2015 (que foi muito forte) teve um impacto relativamente mínimo na produção na Colômbia. De um modo geral, porém, a seca consistente de Junho a Dezembro pode constituir uma preocupação, particularmente no período de floração da Mitaca. Embora os efeitos não pareçam ser generalizados, é possível que certas regiões da Colômbia sofram limitações no seu potencial produtivo.


[Pronto para tomar decisões informadas no mercado cafeeiro? Inscreva-se para uma avaliação gratuita de nossos Relatórios de Mercado Premium!]


Leste de África

O El Niño pode aumentar a precipitação durante o período de Outubro a Janeiro na África Oriental (uma vez que a ZCIT está invertida), o que coincide com o que deveria ser a estação seca naquele país. Portanto, o risco de inundações e deslizamentos de terra, especialmente na Uganda, pode comprometer a qualidade dos grãos (processo de secagem ao sol) e/ou atrasar os trabalhos de colheita. No entanto, analisando os dados de produção relativamente às ocorrências do El Niño, não vemos uma correlação significativa que implique que o El Niño seja uma grande ameaça à produção cafeeira da África Oriental.

Por exemplo, mesmo durante o evento El Niño de 2015, que foi acompanhado por avisos de riscos para a produção de café do Uganda, os temidos danos às colheitas não se manifestaram de fato. Na verdade, a produção aumentou em vez de diminuir. Outras origens, como a Etiópia e o Quénia, também são relativamente neutras quanto aos efeitos do El Niño (em termos de potencial de produção), enquanto a Costa do Marfim, uma pequena origem (1-2 milhões de sacas) localizada na África Ocidental, está fora do alcance do El Niño. âmbito de influência.



Ocorrências históricas de El Niño nas origens do café

Certos eventos históricos do El Niño destacam-se devido aos seus evidentes efeitos prejudiciais na produção de café. Esses eventos foram notavelmente intensos e tiveram seus impactos concentrados nos principais países produtores de Robusta, Vietnã e Indonésia.


[Assuma o controle de sua jornada de negociação de café. Inscreva-se em nosso Curso para Trader de Café e adquira conhecimentos e habilidades para tomar decisões informadas no mercado.]


Retrospectiva do Vietnã

Em 2006-2007, surgiu um evento El Niño de forte magnitude, causando uma perturbação notável na trajetória anteriormente ascendente da produção no Vietnã. Durante este período, a produção total foi reduzida em aproximadamente 2,5 milhões de sacas em relação ao mesmo período do ano anterior, em parte devido às condições secas predominantes.

Outro caso de perturbação substancial ocorreu durante o evento El Niño de 2015-2016. Mais uma vez, a presença de um forte El Niño levou a condições cimáticas secas que tiveram um efeito adverso sobre o rendimento do Vietnã. As consequências foram tangíveis, resultando na redução de 2,2 milhões de sacas no período.



Retrospectiva da Indonésia

Durante os anos 1997-1998, a Indonésia enfrentou o que seria reconhecido como um dos eventos El Niño mais potentes já documentados. O Vietnã foi poupado ao infortúnio de ter a sua produção cortada, mas o impacto (da seca) foi sentido intensamente na Indonésia, pois levou a uma redução substancial na produção de café. Aproximadamente 1,1 milhão de sacas (~15% da colheita total) de café foram perdidas durante o período.

[Não perca os últimos insights do mercado cafeeiro. Inscreva-se agora para uma avaliação gratuita de nossos Relatórios de Mercado Premium!]



Avançando para o El Niño de 2015-2016, a seca varreu novamente a região, exercendo uma forte pressão descendente sobre a produção, que sofreu uma queda considerável, diminuindo aproximadamente 1,7 milhão de sacas (cerca de 13% da produção total) durante esse período.



Conclusões

Os eventos do El Niño influenciam os padrões de precipitação dos países produtores de café, mas o histórico sugere que são necessários eventos categóricos fortes para estabelecer um impacto negativo na produção de café. Os efeitos negativos estão mais concentrados nas origens produtoras de Robusta, Vietnã e Indonésia, do que nos produtores de #Arábica, segundo os padrões históricos, e dada a proximidade geográfica do centro do El Niño.

Aparentemente, eventos El Niño fracos a moderados não tendem a produzir efeitos notoriamente negativos ou desastrosos para as lavouras cafeeiras mundiais, e as condições de seca podem muitas vezes ser geridas através da irrigação no Vietnã. Ainda assim, é preciso considerar possíveis eventos voláteis no mercado cafeeiro, dependendo da forma como o El Niño é entendido como um risco.


[Pronto para embarcar em uma aventura emocionante no comércio de café? Inscreva-se em nosso Curso para Trader de Café. Inscreva-se hoje!]




38 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page